10 atrações que são imperdíveis

10 atractivos imperdibles Italia – Destinos Vacacionales

Europa

¿Es cierto que Italia tiene tantos atractivos que sería posible recorrer el país durante al menos tres meses sin parar? Es verdad. Entonces, ¿cómo eliges qué hacer en Italia en sólo 30 días (o menos) de vacaciones? Es una tarea difícil. Para complicar aún más las cosas, el país que ofrece turismo de todo tipo –histórico, natural, cultural, gastronómico, religioso, etc., etc. ¡Pero nos enfrentamos a la tarea e hicimos una selección de 10 cosas del país que son imperdibles!

⇒ DÓNDE ALOJARSE EN ITALIA y gastar poco dinero
⇒ GUÍA DE VIAJE A ITALIA: ¡Todo lo que necesitas saber!

Algunos artículos involucran sólo un lugar turístico, otros una región entera. Pero todos ellos tienen una estrecha conexión lógica. No hay atracciones en el extremo sur y norte del país, por ejemplo. De esta manera, podrás organizar un itinerario por Italia que se ajuste a tus vacaciones, sin perderte algunas de las vistas más hermosas que tiene para ofrecer a los viajeros. De hecho, puedes consultar nuestro itinerario de viaje sugerido aquí .

No hay manera de no dejarse encantar por tantas iglesias y catedrales, museos y galerías, ruinas y edificios antiguos, playas y valles, pasta y vino… ¡Echa un vistazo a 10 atracciones en Italia que no te puedes perder!

Qué hacer en Italia 1 – Venecia

Como si no fuera suficiente ser una ciudad medieval, Venecia sigue siendo una ciudad medieval construida sobre 117 pequeñas islas separadas por canales y conectadas por cientos de puentes. A esto se suma el hecho de que Venecia era una República independiente del resto de Italia, muy rica y con altísimo desarrollo cultural y arquitectónico. ‘¡Voilá'! La fórmula para crear un lugar único en el mundo está completa.

⇒ ¡Reserva ahora tu hotel en Venecia y garantiza los mejores precios! ⇐

Te encantarán hasta la médula las pequeñas callejuelas (y en ellas te perderás mucho), las decenas de iglesias, las icónicas góndolas que cruzan los canales y las mansiones medievales adornadas con balcones y ventanas de estilo veneciano. Para que te hagas una idea, ¡ningún edificio en Venecia tiene menos de 300 años!

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Veneza está situada no nordeste da Itália, na região do Vêneto, e, sendo um dos destinos turísticos mais populares do mundo, é de fácil acesso por navio, carro, ônibus, trem ou avião. Reserve pelo menos três dias de viagem para conhecê-la como ela merece. Se quiser visitar cada pedacinho, cinco.

O grande charme de Veneza é que ela é uma atração por si só e caminhar por suas ruas e ruelas já é um tour. Mas claro que há pontos turísticos de destaque na cidade. Não perca Praça de São Marcos, onde estão a basílica e o campanário do mesmo nome (na foto abaixo), além do Palazzo Ducale e da Ponte dos Suspiros; o Canal Grande e a Ponte di Rialto, a Basílica de Santa Maria della Salute e a Punta della Dogana; o tradicional passeio de gôndola e a colorida ilha de Burano.

Praça de São Marcos com a basílica e o campanário ao fundo, em Veneza

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


O que fazer na Itália 2 – Visitar uma vinícola

Mesmo que você não seja um grande apreciador de vinhos, é menos pecaminoso ir ao Vaticano e não ver o papa do que ir à Itália e não visitar uma vinícola. As mais populares do país ficam na região central da Toscana, famosa pela produção de denominações únicas no mundo todo, como o Brunello de Montalcino e o Chianti. Há centenas de vinícolas espalhadas por esta parte do país, desde pequenas casas familiares até impérios vinícolas, como o Castelo Banfi.

⇒ Reserve já seu hotel em Montalcino e garanta os melhores preços! ⇐

Nós o visitamos apenas para degustação e recomendamos, os vinhos são ótimos. Ele fica nas proximidades da cidade de Montalcino, mundialmente famosa pelos seus ‘brunellos’ e ‘rossos’. Se ficou interessado em visita o Castelo Banfi confira o site aqui. Se quiser visitar Montalcino, confira aqui nossa sugestão de hospedagem boa e barata! Voltando às vinícolas, as mais estruturadas oferecem degustação, almoços ou jantares e tours para conhecer o processo de fabricação do vinho.

Na região da Toscana é possível visitar muitas vinícolas que são cartão-postal da Itália

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Algumas abrigam hotéis de luxo e SPAs para receber hóspedes que queiram uma verdadeira imersão no mundo enólogo. Os estabelecimentos maiores oferecem também transfer aos vistantes, o que é essencial para quem não está com um carro alugado. Se estiver interessado em fazer um passeio completo, ou ficar hospedado em uma vinícola, é melhor fazer a reserva com antecedência, pois os lugares são disputados, principalmente na alta temporada de verão (julho-agosto).

Se quiser apenas conhecer qualquer vinícola, não importa o tamanho, e fazer uma degustação básica, basta pedir uma indicação no hotel ou pesquisar na internet. A época da ‘vindima’, ou colheira, é o mês de setembro, quando muitos turistas interessados em vinho se dirigem para a região da Toscana para assisti-la. Mas, se quiser ver as parreiras lotadas de uvas, é bom chegar nos meses imediatamente anteriores, como agosto e julho.

Degustação de vinhos no Castelo Banfi, em Montalcino

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


O que fazer na Itália 3 – Viajar de carro pela Toscana

Como dissemos acima, visitar uma vinícola é uma das atrações da Itália que você não pode perder, e a melhor região do país para fazer isso é a Toscana, localizada no centro do país e próxima da costa oeste. Além da bebida mais simbólica da Itália, a Toscana oferece inúmeras atrações, mas um sistema de transporte bastante básico e que não permite que se conheçam suas maiores belezas: os vinhedos, campos floridos de girassóis, estradas ladeadas por ciprestes e cidades medievais.

Para ver todo esto, es necesario alquilar un coche y reservar al menos tres días de viaje (sin contar las visitas a las principales atracciones turísticas, como Florencia, Siena o Pisa). Alquilar un coche en Italia no es caro y las carreteras y la señalización son razonables: obtenga su cotización aquí . Se puede empezar desde Siena –donde el precio del alquiler es mucho más asequible que en Florencia, por ejemplo–, pasar por Montalcino, Pienza, San Gimignano, Volterra y llegar a Lucca.

De esta manera, garantizas que pasarás por casi todas las principales atracciones turísticas de la región, como las galerías de los Uffizi y de la Academia, las catedrales de Siena y Florencia, las ciudades medievales de Pienza, San Gimignano, Volterra y, por supuesto, Por supuesto, la imprescindible Torre de Pisa, que se puede visitar desde Lucca. Pero claro, las posibilidades de itinerarios en la Toscana son infinitas. Si tienes dudas, puedes consultar nuestra sugerencia aquí .

Los paisajes de la Toscana no pueden quedar fuera de tu lista de cosas que hacer en Italia

Foto: Ticiana Giehl y Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Qué hacer en Italia 4 – Cinque Terre

Cinque Terre es el nombre que recibe un grupo de cinco ciudades italianas ubicadas en la costa oeste y norte de Italia, en la región de Ligure y cerca de Génova. Monterosso al Mare, Vernazza, Corniglia, Manarola y Riomaggiore son pueblos coloridos construidos sobre acantilados que dominan el mar, en una de las vistas más pintorescas de Italia. Aquí no hay atractivos turísticos para visitar, sólo saltar de una ciudad a otra, descansar en las playas, contemplar el atardecer y disfrutar de la gastronomía local.

⇒ Reserve já seu hotel em La Spezia e garanta os melhores preços! ⇐

Você pode se hospedar em qualquer um das cinco cidades ou em La Spezia, que fica logo ao lado e é bem maior, proporcionando mais opções de hospedagem e refeições econômicas. De uma forma ou de outra, você vai ter que se locomover de trem entre elas, sendo possível comprar tickets individuais ou um passe turístico especial de 24 ou 48 horas. Recomendamos reservar ao menos dois dias para conhecer o lugar como ele merece e apreciar belos pôr do sol.

As Cinque Terre são muito próximas umas das outras, sendo que o trajeto mais longo – de Spezia até Monterosso – é de apenas 25 minutos. Quem gosta de caminhadas pode percorrer a pé o caminho entre elas, sendo mais popular e cênico o trecho entre Corniglia e Manarola. Mas atenção: a famosa Via dell’Amore, que é a ligação entre Manarola e Riomaggiore, está fechada há alguns anos por conta de deslizamentos de terra. Não há nenhuma previsão de quando ele seja reaberto.

As Cinque Terre não podem ficar fora da sua lista de o que fazer na Itália

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


O que fazer na Itália 5 – Torre de Pisa

A cidade de Pisa está localizada na já aqui citada região da Toscana, muito próxima da costa oeste da Itália. Sua maior – e única – atração dispensa grandes apresentações: é a mundialmente famosa e muito procurada Torre de Pisa. Para visitá-la, você não precisa de mais do que uma manhã ou tarde, então considere a possibilidade de se hospedar na cidade de Lucca, que é muito próxima e acessível de carro ou trem e que abriga inúmeros outros pontos turísticos para ver.

⇒ Reserve já seu hotel em Lucca e garanta os melhores preços! ⇐

Confira aqui nossa sugestão de hospedagem boa e barata em Lucca! A Torre de Pisa na verdade não é uma torre, como se popularizou, mas o campanário de uma igreja medieval. Na arquitetura toscana daquela época, o campanário era construído separadamente do corpo do edifício principal. Foi exatamente um erro no projeto de construção que deixou a torre de quase 57 metros inclinada em 4 graus e a tornou um dos pontos turísticos mais famosos do mundo.

A Catedral de Pisa fica no Campo dei Miracoli, onde você pode circular à vontade e tirar todas as fotos que quiser, inclusive aquelas divertidas ‘segurando’ a torre. Entrar na igreja também é de graça, basta retirar um ‘free ticket’ na bilheteria no local. Já para subir na torre pelo lado de dentro é preciso pagar 18 euros pelo ingresso e mais 24 pelo ticket combinado para visitar os demais prédios que compõem o conjunto – batistério, camposanto e museu (leia mais no site da catedral).

Inclinação de 4 graus da Torre de Pisa fica mais evidente ao lado da estátua

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


O que fazer na Itália 6 – Catedral de Siena

A Catedral de Siena, ou ‘Duomo di Siena’, é uma entre dezenas de belíssimas construções religiosas medievais da região da Toscana. Mas com certeza guarda uma visão especial aos visitantes, sendo mais linda do que a vizinha famosa, a Catedral de Florença. Contemplar sua fachada cheia de detalhes, suas portas gigantescas e o painel de vidro que reflete o céu já seria de bom tamanho, mas o prédio construído lá pelos idos de 1200 é uma atração que vale a pena conhecer por dentro.

⇒ Reserve já seu hotel em Siena e garanta os melhores preços! ⇐

Os ingressos custam 9 euros. Todo o interior da igreja é decorado com mármore preto e branco, as cores símbolo da antiga República de Siena, que era uma cidade independente do Reino da Itália, assim como Veneza e Florença. As gigantescas colunas impressionam, assim como a magnífica cúpula e o piso todo decorado com ilustrações. Inúmeras obras de arte decoram o ambiente, entre elas peças de Michelangelo e Donatello.

As gigantescas colunas da Catedral de Siena impressionam

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Uma vez dentro da catedral, você pode ver também a incrível Libreria Piccolomini, uma pequena sala com belas pinturas e gigantescos livros medievais, mas é preciso pagar um ingresso extra de 2 euros. Para visitar os demais prédios que compõem o complexo da catedral, como a cripta e o museus, você pode comprar ingressos individuais ou passes que dão direito a certas entradas ou total. Todos os horários de funcionamento e preços podem ser consultados no site da catedral.

Siena está localizada a apenas uma hora de ônibus de Florença, e você pode fazer apenas um passeio de bate-volta até a cidade ou passar um ou dois dias por lá para curtir o clima medieval. Siena não tem um conjunto arquitetônico tão belo quanto Florença, mas é infinitamente mais barata! Aproveite e confira aqui nossa sugestão de hospedagem boa e econômica na cidade.

A fechada da Catedral de Siena impressiona com seus detalhes e painel de vidro

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


O que fazer na Itália 7 – Galleria degli Uffizi

Abrigado em um palácio da Idade Média, a Galleria degli Uffizi, ou ‘Galeria dos Ofícios’, é um dos mais antigos e importantes museus do mundo. Localizado na cidade medieval de Florença, na Toscana, é de fácil acesso desde Roma por carro, ônibus ou trem. A Uffizi é um dos símbolos do poder das repúblicas italianas na Idade Média, quando seus ricos senhores patrocinavam o desenvolvimento cultural e apadrinhavam artistas como Michelangelo, Donatello e Da Vinci.

⇒ Reserve já seu hotel em Florença e garanta os melhores preços! ⇐

El museo nació a partir de la colección personal de objetos artísticos del duque Cosme I de Medici y, hoy en día, alberga una colección de piezas distribuidas en 50 salas. Para evitar pasar todo el día dentro, es buena idea hacer un itinerario de las obras que realmente quieres ver. Entre las obras más destacadas del museo se encuentran El nacimiento de Venus, de Botticelli; Tondo Doni, de Miguel Ángel; Baco, de Caravaggio; y las obras iniciales de Da Vinci en el campo de la pintura: Bautismo de Cristo, Anunciación y Oración de los Reyes Magos.

El billete para entrar a los Uffizi cuesta entre 12 y 20 euros y las colas suelen ser largas, durando más de una hora durante la temporada alta de verano (julio-agosto). Si no estás dispuesto a esperar, puedes comprar entradas sin colas en el sitio web de la galería (accede aquí ). Son más caras que las tradicionales, pero no sólo no te enfrentarás a las aglomeraciones en la puerta, sino que también podrás elegir a qué hora del día quieres visitar.

El Nacimiento de Venus es la obra principal de los Uffizi

Foto: Ticiana Giehl y Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Qué hacer en Italia 8 – Coliseo

De día, de noche, por dentro, por fuera, no te cansarás de admirar este monumento tan impresionante que fue elegido una de las Siete Maravillas del Mundo Moderno. Situada en el centro histórico de Roma, la capital del país, es, con diferencia, la mayor de todas las atracciones de Italia. El Coliseo fue un anfiteatro construido por el emperador romano Vespasiano en el año 72 para albergar combates de gladiadores, recreaciones de batallas, cacerías de animales salvajes, ejecuciones y obras dramáticas.

⇒ Reserve já seu hotel em Roma e garanta os melhores preços! ⇐

O lugar abrigava nada menos do que 80 mil espectadores! Infelizmente, o prédio foi muito afetado com o passar dos anos por saques e terremotos. Mesmo assim, sua fachada conserva parte do mármore branco original e se ergue, luminosa a 48 metros de altura! Para ter a melhores vistas externas do Coliseu, você pode ir ao gramado logo em frente, subir a escadaria próxima à entrada do metrô ou ainda entrar nas ruínas do Foro Romano, cujo acesso é permitido com o mesmo ticket.

Por dentro, o visual do Coliseu é bastante decepcionante, já que não sobrou muito da estrutura original para contar a história além do esqueleto de pedra e de um emaranhado de escavações arqueológicas. Se achar que vale a pena, você pode encarar a longa fila de espera – uma hora na alta temporada (julho a agosto) – ou comprar ingressos ‘corta-fila’ pela internet (acesse aqui). O ticket custa 12 euros. Confira ainda nossa sugestão de hospedagem econômica em Roma aqui!

La fachada de mármol del Coliseo luce más impresionante bajo la iluminación nocturna

Foto: Ticiana Giehl y Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Qué hacer en Italia 9 – Basílicas Papales

Dentro de la compleja jerarquía de la Iglesia católica, existen cuatro iglesias muy especiales. Hay cuatro basílicas mayores, o basílicas papales, y todas están ubicadas en Roma, por supuesto. Visitar las basílicas papales era una condición impuesta en la Edad Media a los peregrinos que buscaban indulgencia o perdón de pecados. Inicialmente eran sólo dos: São Pedro y São Paulo, que albergan la tumba de los respectivos apóstoles.

Pero, más tarde, el número se incrementó a cuatro con la inclusión de San Giovanni in Laterano y Santa Maria Maggiore. Estas cuatro basílicas son joyas de la arquitectura religiosa y merecen una visita cuando viajes a Italia, incluso si eres ateo. Todos están cerca de las estaciones de metro de Roma y son de fácil acceso, además de tener entrada gratuita. Pero, para poder entrar sin problemas al recinto sagrado, recuerda vestir con discreción.

Santa Maria Maggiore es una de las cuatro basílicas papales de Roma

Foto: Ticiana Giehl e Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

Isso quer dizer saia ou bermuda até os joelhos e ombros cobertos. Peças muito justas ou decotadas também não costumam ser aceitas. Na dúvida, leve uma echarpe na bolsa, assim você pode se cobrir caso o fiscal lhe torça o nariz. Sem dúvidas a mais importante e bonita das basílicas papais é a de São Pedro, tecnicamente localizada no Vaticano, e não na Itália. A magnífica construção domina a praça de São Pedro, onde ocorrem as audiências do papa todas as quartas-feiras.

Como dissemos, você não precisa pagar para entrar, apenas se quiser subir até a cúpula. As filas costumam ser longas, com mais de uma hora de espera durante a alta temporada de verão (julho-agosto). Para evitá-las, chegue no comecinho ou no fim do dia. Dentro da basílica, não perca a Pietá, obras máxima de Michelangelo;  a estátua em bronze de São Pedro e o altar também dedicado a ele. Evite fazer a visita no horário das missas, pois a área do altar fica fechada para o turismo.

San Pedro es una de las cuatro basílicas papales de Roma

Foto: Ticiana Giehl y Marquinhos Pereira/Escolha Viajar


Qué hacer en Italia 10 – Fuentes de Roma

Hay nada menos que 2.500 fuentes en Roma, desde las sencillas fuentes de agua que abastecen nuestras sedientas botellas en el tórrido calor del verano italiano hasta las grandes obras de arte, como la Fontana de Trevi. Esto significa que es imposible verlos todos, a menos que te traslades a la Ciudad Eterna, pero sacar un tiempo de tu viaje al país para visitar los más bellos vale la pena y te permitirá guardar recuerdos de uno de los más bellos. atracciones pintorescas en Italia. .

Después de todo, ¿a quién no le gustan las fuentes? Al parecer, los pueblos del antiguo Imperio Romano sentían fascinación por el agua, dada la gran cantidad de puentes, acueductos, fuentes y baños termales que se construyeron en aquella época. Se construyeron nada menos que once grandes acueductos para asegurar el suministro de agua a la capital del vasto imperio. En aquella época, los acueductos terminaban en un ‘ninfeo', un pequeño templo dedicado a una ninfa.

Incluso llena de gente, la Fontana de Trevi no puede quedar fuera de tu lista de cosas que hacer en Italia.

Foto: Ticiana Giehl y Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

De ahí la gran cantidad de fuentes que se encuentran repartidas por toda Roma. Encontrarás fuentes por todos lados de los equinos, lo cual es una gran ayuda para los pies quemados, las caras rojas y la garganta seca en los días de verano. Sí, el agua de los manantiales romanos sigue siendo limpia y potable, como en la época del imperio, y puedes beberla sin ningún miedo. Pero, por supuesto, hay algunas fuentes que son imperdibles.

La más grande de todas es, por supuesto, la Fontana de Trevi, que conviene visitar temprano en la mañana si quieres evitar la gran aglomeración de turistas como se puede ver en la foto de arriba. Otros que bien merecen una visita son la Fontana della Barcaccia, en Piazza di Spagna; la Fontana dei Quattro Fiumi, en Piazza Navona (foto abajo); y las fuentes de la Piazza del Popolo y la Plaza de San Pedro, en el Vaticano, que no tienen nombre específico.

Fontana dei Quattro Fiumi es una de las fuentes más bellas de Roma

Foto: Ticiana Giehl y Marquinhos Pereira/Escolha Viajar

*** Escolha Viajar estuvo en Italia entre julio y agosto de 2015 ***